quarta-feira, 22 de junho de 2011

FLANEUR


Vagueio a cada ronda da noite
Que sou
Penso
Que sou desejo
Que sou
O que sou,
Poeira  sombra  cinza
Errante
Varando penumbras
Nas noites quebradas,
Gaiola ao peito
Mente prisioneira de babel
Anti-fênix
À borda das dobras do mundo,
Enquanto a vida
Sob a luz solar
Vaza por entre as grades
Da gaiola da prisão
E vive
No mágico deserto
Ao largo
Do vicejante rio
Ao lado.
                            Vilemar F Costa








Nenhum comentário:

Postar um comentário